Linha – Escritos sobre a Imagem (2)

O artista que lê mal os outros artistas é o grande míope sobrevivente das imagens. Tateia na matéria bruta da técnica e da massa acumulada da história. Ele resvala pelas cacofonias, ruídos, manchas, brechas e pela infiltração de matéria poética, pelo escorrimento das imagens e de substâncias contaminadoras de sua própria vida até então. É deste artista lutar pela sua sobrevivência, na memória de quem está vivo, fazendo imagens. Este artista aproxima-se de outros cuidadosamente, num embate que  entre arrebatamento e  razão. Empilha  as camadas de construção de entendimentos, aderindo e deslocando, fortalecido na troca imaginal.

Influência sem angústia
Maria do Céu Diel

Da Primeira Assinatura: onde há o hydropythecus, a criatura de Feejee, melusinas, mulheres serpente e parturientes escamosas
Adriana de Castro Dias Bicalho

Imago Agens: Um estudo da memória pelo viés do esquecimento
Bruna Penna Mibielli

Objetos perdidos. Cultura editorial e visual na França do século XIX
Ana Utsch

A estética da ruína como poética
Bruno Amarante

O corpo recortado: O Bebê Santo de Mâcon de Peter Greenaway
Lucia Aparecida Felisberto Santiago

Os Pescadores de Goeldi
Daniel Prudente da Silva Ferreira

Sonho sobre imagens
João Diel

Norte na Bilbioteca de Warburg
Maria do Céu Diel

Deixe uma resposta